Crítica | O Auto da Boa Mentira “Uma Homenagem a Suassuna”

Crítica | O Auto da Boa Mentira “Uma Homenagem a Suassuna”

29 de abril de 2021 0 Por leticialinhares

Inspirado em histórias de Suassuna, o filme  ‘O Auto da Boa Mentira’ chega aos cinemas em abril e promete entreter o público. Principalmente os que amam filmes de comédia cheios de acontecimentos absurdos, um elenco já conhecido e uma leve crítica social.

Um Pouco sobre o Filme

Com direção de José Eduardo Belmonte (‘Carcereiros: O Filme’), o filme é uma verdadeira homenagem ao autor da peça ‘O Auto da Compadecida’.

Em um formato diferenciado, o filme apresenta quatro histórias completamente diversas, mas que tem duas coisas em comum: a mentira e o humor. Dessa maneira, inspirado em frases icônicas de Ariano, O Auto da Boa Mentira traz uma versão mais contemporânea das famosas “mentiras” do autor sem perder sua identidade e essência.

Nesse sentido, não é difícil imaginar que o autor gostaria dessa homenagem.

Giselle e Michelle Batista, e Leandro Hassum. O ‘Auto da Boa Mentira’. Crédito Helena Barreto.

As Quatro Histórias

Em primeiro lugar, conhecemos a história do subgerente de Recursos Humanos: Helder (Leandro Hassum), que ao ser confundido com um comediante passa a tirar vantagem dos benefícios disso. Porém, tudo muda quando ele encontra Caetana (Nanda Costa) que o faz considerar mudar de ideia sobre gostar dessa confusão de identidades.

Em seguida, somos apresentados a Fabiano (Renato Góes), um cético que fica intrigado quando um “vidente” revela uma verdade sobre sua mãe e seu pai já falecido. Com a ajuda do Palhaço Romeu ele começa sua investigação.

Chris Mason. O ‘Auto da Boa Mentira’. Crédito Helena Barreto.

A terceira é a de Pierce (Chris Mason) um gringo que inspirado nos famosos caôs cariocas inventa que foi assaltado para não ir à uma festa. Enfim, o que ele não esperava é que sua mentira chegasse aos ouvidos do Chefe do Tráfico (Jesuíta Barbosa).

Por último, conhecemos a história da estagiária Lorena (Cacá Ottoni) que se sente invisível e deslocada na empresa de publicidade que trabalha. História inspirada em uma das frases mais famosas do autor onde ele comenta sobre o “preconceito” que as pessoas que nunca foram a Disney vivenciam.

O Absurdo e o Fundo de Verdade Delas

Um dos elementos mais surpreendentes e gostosos do filme são as entrevistas de Ariano. No fim, elas servem tanto como elemento de transição quanto para criar uma atmosfera ainda mais bem humorada. Em suma, a inclusão delas entre as histórias traz um tom de fundo de verdade as tramas absurdas e fantasiosas do filme.

Portanto, apesar das mentiras passarem um pouco do limite do aceitável. No geral, o filme diverte bem e nos faz tentar adivinhar o tempo todo qual será a próxima loucura a acontecer.

Com um elenco que entrega o que promete, o maior destaque vai para Serjão Loroza, que entrega um humor natural e extremamente contagiante. Além disso, apesar de ser um filme de humor consegue trazer aspectos críticos relevantes sobre nosso contexto social, e é claro os perigos e vantagens da mentira.

Com estreia prevista para 29 de abril, ‘O Auto da Boa Mentira’ já está em cartaz nos cinemas brasileiros.

Enfim, já assistiu? Comenta aqui embaixo o que achou!

Jesuíta Barbosa, Serjão Lorosa e Chris Mason.’O Auto da Boa Mentira’. Crédito Helena Barreto.

Leia Mais: Crítica | Maria do Caritó

 

Revisão: Leandro Reis